5 de out de 2007

Meu Nome é Dindi

Dindi é a dona de uma quitanda tradicional, que está na família há três gerações. Ela enfrenta dificuldades devido à inauguração de um supermercado, que fez com que tenha uma grande dívida com o açougueiro. Simultaneamente surge em sua vida um estranho homem, que tenta entrar em contato com ela.

Nos anos 70 e 80, principalmente, o cinema brasileiro ficou conhecido por seus filmes autorais, feitos para um grupo reduzidíssimo de pessoas e sem qualquer preocupação em atender ao espectador comum. Foi nesta época - não apenas por este motivo, mas também por isto -, que nasceu no inconsciente coletivo a idéia de que “cinema nacional não presta”. Um preconceito que durou por muito tempo e que apenas reverteu, parcialmente, a partir da Retomada.

“Meu Nome é Dindi” lembra bastante os filmes desta época. É cinema pelo cinema, experimental, sem qualquer preocupação com mercado ou público. O que não é demérito, pois quando bem feito este tipo de filme pode ganhar tons simbólicos ou intrigantes que chamem a atenção. Mas também não é isto que acontece. Os simbolismos mostrados são rasos, gratuitos. A história é mal narrada, com personagens surgindo e desaparecendo repentinamente. A própria trama é frágil, já que o tema inicial, da dívida com o açougueiro, é abandonado sem grandes explicações. Aliás, explicação é o que menos há neste filme.

O desastre é tamanho que até mesmo Gustavo Falcão, bom ator, está canastrão em cena. Djin Sganzerla até se esforça mas é prejudicada pelo roteiro, que não permite que sua personagem se desenvolva. Isto fora a falta de cuidado com detalhes da própria caracterização dos personagens, como a vizinha que pede algo e, ao surgir em cena, parece que está posando para um álbum ou o cabelo do próprio Gustavo Falcão, incompatível para qualquer militar que tente aparentar alguma veracidade. Pode-se até dar um certo desconto pela rapidez com que o filme foi rodado, apenas uma semana, mas com tantas falhas talvez a melhor opção fosse trabalhar mais lentamente, de forma que o roteiro e o próprio filme pudessem ser melhor desenvolvidos.

Meu Nome é Dindi (idem), de Bruno Safadi, Brasil, 2007, 85′

Mostra Première Brasil - Novos Rumos

Nota: 1,0

Um comentário:

Henrique disse...

Filme cheio de clichês do começo ao fim: o pior deles é a já batida saída "tudo não passou de um sonho". Francamente. Nem em redação escolar se usa mais esse recurso narrativo. Faltou criatividade para gastar os poucos recursos destinado ao cinema nacional.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...